Pesquisar
Pesquisa Avançada

EnANPAD 2016

Trabalhos Apresentados


Análise Geoespacial da Relação entre Transporte Público sobre Trilhos, Renda e Tempo Médio de Deslocamento


Informações

Código: APB2624
Divisão: APB - Administração Pública
Tema de Interesse: Tema 05 - Casos e Aplicações em Políticas Públicas

Autores

Eliana Lins Morandi (Fundação Getulio Vargas/Escola de Administração de Empresas de São Paulo - FGV/EAESP)
Rafael Viana Ribeiro (Universidade de São Paulo - USP)
Eurídice Gomes da Silva Hernandes (Fundação Getulio Vargas/Escola de Administração de Empresas de São Paulo - FGV/EAESP)
Beatriz Simões Camara (Fundação Getulio Vargas/Escola de Administração de Empresas de São Paulo - FGV/EAESP)
Larissa Spinola (Fundação Getulio Vargas/Escola de Administração de Empresas de São Paulo - FGV/EAESP)
Eduardo de Rezende Francisco (Mestrado Profissional em Gestão e Políticas Públicas/Fundação Getulio Vargas/Escola de Administração de Empresas de São Paulo e Programa de Mestrado Profissional em Comportamento do Consumidor/Escola Superior de Propaganda e Marketing de São Paulo/Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing - MPGPP/FGV/EAESP e MPCC/ESPM)

Resumo

No contexto de grande mobilização social em torno do tema de mobilidade urbana, que vem, cada vez mais, ganhando espaço na agenda pública, e de ampliação da malha ferroviária de transporte urbano, este trabalho propõe investigar descritivamente as áreas que são e que serão atendidas por estações de trem e metrô ? bem como as que não o são e tampouco o serão ? bem como caracterizar economicamente a população residente no município de São Paulo. Além disso, este trabalho tem como objetivo verificar estatisticamente e espacialmente a existência de relação entre o tempo de deslocamento (de casa até o trabalho), a renda mensal e a distância do domicílio à rede de transporte sobre trilhos. Os dados utilizados referem-se ao Censo Demográfico 2010. Por meio da confecção de mapas e de regressões espaciais, procurou-se explorar a existência desta relação, bem como quantificá-la, por meio de um modelo matemático linear. Os mapas permitiram retratar distribuição populacional por estratos de renda, demonstrou a periferização das famílias mais pobres, que em geral coincidem com aquelas que mais tempo levam para se deslocar até o local de trabalho, em uma lógica de profunda centralização da atividade econômica do município de São Paulo. Por fim, o modelo de regressão espacial SAR (Spatial Auto-Regressive model) confirmou a significância da relação entre a distância da malha ferroviária, renda mensal, e localização no espaço (vizinhança) e o tempo médio de deslocamento até o trabalho.

Abrir PDF