Pesquisar
Pesquisa Avançada

Informativo 18/Jan - Fev - Mar/2008


ANPAD: Gestão/Agilidade/Segurança

Temos a satisfação de anunciar que brevemente apresentaremos à nossa comunidade os resultados econômico-financeiros referentes ao ano de 2007, bem como o parecer da empresa que está realizando a auditoria das contas da ANPAD (2005 e 2006).

Em relação aos aspectos operacionais, administrativos e financeiros, algumas mudanças foram feitas no decorrer de 2007 e continuarão sendo realizadas em 2008.

Estas alterações foram necessárias para tornar a gestão mais ágil e adequada à realidade da ANPAD, que se diga de passagem, uma das maiores associações da área em volume de atividades, número de congressistas, programas associados e associados individuais.

Outro ponto importante é que estaremos em breve apresentando aos programas associados (Assembléia), para análise e aprovação, proposta do novo Estatuto que visa integrar e atender as necessidades atuais da ANPAD.

Por último salientamos a agilidade e segurança do Projeto Teste ANPAD ONLINE que teve seu início em meados de 2004. O objetivo desse teste é a realização das provas em computadores conectados à internet, sob a supervisão de fiscais.

No final de 2005 foram iniciados os experimentos com o Portal Teste ANPAD ONLINE e na Edição de Junho de 2006 ocorreu à primeira realização das provas na modalidade on-line.
 
Nessa modalidade não há necessidade de provas impressas e de cartões de respostas, requer apenas salas equipadas com computadores conectados à internet. Com isso, a correção das provas é mais rápida e o resultado pode ser disponibilizado em 24 horas.

Esta forma de aplicação das provas permite a redução de alguns dos custos da aplicação tradicional, como a impressão e transporte de provas, transporte e correção de cartões de respostas.

Desde a Edição de Junho de 2006, o Portal Teste ANPAD ONLINE já foi utilizado por cerca de 900 candidatos nas edições regulares e mais de 10.000 candidatos em Edições Especiais. Uma das grandes vantagens dessa modalidade é a utilização de questões de edições anteriores. O banco de dados de questões armazenadas nesse banco permite a montagem instantânea de provas, composta por questões selecionadas aleatoriamente dentre todas as questões armazenadas nesse banco de dados. Assim, podem ser realizadas edições especiais a qualquer momento e com custo baixo. Outra vantagem são os simulados on-line, disponibilizados para os candidatos do Teste ANPAD. Cerca de 700 candidatos das edições regulares já utilizaram esses simulados e praticamente todos os candidatos de edições especiais fizeram uso dos simulados on-line para se preparem para as provas.

Todas as ações empreendidas e a empreender visam atender as demandas atuais e futuras da ANPAD, na qual sem o apoio desta gestão e colaboração da comunidade, não seriam possível.

Hudson Fernandes Amaral
Diretor Administrativo da ANPAD




Seminário GV: Tendências e Experiências para o Varejo de 2008

Objetivo: apresentar um panorama das tendências de mercado para o varejo.
Público Alvo: Diretores, gerentes e profissionais do varejo, seus fornecedores e demais interessados no tema.
Coordenadores: Prof. Juracy Parente e Prof. Maurício G. Morgado (FGV-EAESP)
Data: 21 de fevereiro de 2008
Local: Salão Nobre
Horário: das 08:00 às 13:00



V EGEPE Encontro de Estudos sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas

Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo/SP
Submissões de trabalhos até 05 de novembro de 2007
Data: de 05 a 07 de março de 2008



2008 Latin-American Conference of the Association for Consumer Research
Data: de 31 de julho a 03 de agosto de 2008
Local: Uninove - São Paulo/SP
Submissões de Trabalhos: até 31 de janeiro de 2008
Mais informações: www.uninove.br/acrla


Curso de Especialização em Capacitação para Gestão da Qualidade de Vida no Trabalho

Objetivos:
- Preparar gestores da qualidade de vida no trabalho no plano corporativo de consultoria interna e externa;
-Difundir modelos e ferramentas específicos de gestão da QVT;
-Detalhar indicadores e critérios de qualidade de vida no trabalho;
-Criar condições conceituais e comportamentais para uma visão crítica das oportunidades e desafios em gestão da QVT;
-Aplicar a visão BPSO-96 de pessoa para gestão da QVT;
-Capacitar e desenvolver aspectos gerenciais da visão pessoal e organizacional nas tomadas de decisão de QVT.
Público Alvo: Gestores e aspirantes das áreas de saúde, segurança, gestão de pessoas, benefícios, relações do trabalho, fomentos culturais e afins, com formação universitária.
Datas: As aulas terão início dia 19 de fevereiro de 2008 e terminarão em junho de 2009.
Aulas: 3ª e 5ª feiras das 18:30h às 22:30h
Local: UEP FIA – Pinheiros, São Paulo/SP
Carga horária: 460 horas
Processo seletivo: Análise do currículo, entrevista e avaliação escrita.



Conferência Anual da CIMaR - Consortium for International Marketing Research
Data: de 18 a 21 de junho de 2008
Local: COPPEAD em parceria com o IAG/PUC. 
Inscrições de trabalhos até 15 de fevereiro de 2008
Mais informações: www.coppead.ufrj.br



Graduação em Administração do Mackenzie chega a Campinas

As inscrições para o 1º Vestibular para Administração de Empresas da Universidade Presbiteriana Mackenzie em Campinas foram abertas no dia 10 de janeiro, disponibilizando 50 vagas para cada um dos turnos matutino e noturno.
As inscrições deverão ser feitas pelo site www.mackenzie.br, de 10 de janeiro a 11 de fevereiro.



Especialização em Gestão Empresarial da UNIFOR

O curso de especialização em Gestão Empresarial da UNIFOR divulgou a listagem dos classificados para a sua 5ª turma. A matrícula dos candidatos classificados será realizada no período de 17 a 24 de janeiro.
Info: http://www.unifor.br/



Cursos de Aperfeiçoamento na COPPEAD/UFRJ

Os Cursos de Aperfeiçoamento Profissional estão voltados para aqueles que desejam aprofundar seus conhecimentos em determinados setores de atuação ou funções empresariais.
São cursos de extensão que visam capacitar profissionais para o dia-a-dia das empresas em campos específicos de atuação e requerem que o candidato tenha experiência profissional, embora não necessariamente na área de interesse do programa.
Destinam-se a profissionais com graduação completa e com experiência empresarial ou gerencial relevante.
Os cursos têm cunho eminentemente prático e oferecem uma visão sobre as melhores técnicas e ferramentas gerenciais da atualidade.
As aulas são ministradas num dia da semana, possibilitando aos alunos conciliar suas atividades profissionais com a dedicação aos estudos numa das melhores escolas de negócios do país.



Alunos do Global Partners no COPPEAD

O MBA Global Partners é um mestrado internacional, oferecido pelo COPPEAD em parceria com a Robinson School of Business da Georgia State University, nos Estados Unidos, e o IAE - Institut d'Administration d'Entreprises da Sorbonne, na França.
O curso é realizado durante 14 meses, em horário integral, em quatro continentes: nos Estados Unidos, na França e no Brasil, onde os alunos passam uma temporada de estudo, e na China, onde mantêm contatos com líderes governamentais e empresariais através de visitas corporativas.
A etapa Brasil está acontecendo no COPPEAD até 1° de fevereiro: a turma é formada por 20 alunos de diversas nacionalidades – norte-americana, belga, equatoriana, chinesa, africana e russa.
As disciplinas ministradas no COPPEAD são:
> Comportamento Organizacional – Profª Adriana Hilal
> Finanças Internacionais – Prof. Ricardo Leal
> Operações Internacionais e Logística – Profª Rebecca Arkader
> Tecnologia da Informação – Prof. Roberto Nogueira.
O MBA Global Partners recebeu o 2007 Governor’s International Award na categoria de Educação Internacional, por considerarem a educação um fator importante no crescimento dos negócios internacionais no estado da Georgia.



Revista ?GV-executivo? passa por processo de reformulação editorial e fala sobre carreiras

"GV-executivo", revista da GV focada na área de administração de empresas, trata de carreiras e inicia 2008 com nova aparência.
A alteração do projeto gráfico é o aspecto mais visível de um processo de reformulação editorial iniciado no segundo semestre de 2007, com o objetivo de aproximar a revista do leitor. Novas seções, redução no tamanho de matérias e uma linguagem mais leve e ágil são algumas das mudanças.
Do projeto editorial original mantém-se o propósito de aliar conhecimento consistente, relevância, rigor e bom humor. A intenção de integrar cultura geral e entretenimento aos temas de gestão também permanece.
Nesta edição, focada em carreiras, são apresentadas duas colunas e novas seções. Enquanto a coluna Aldeia tem o objetivo de analisar temas locais, a Projeto de vida, trata de assuntos relacionados à carreira e desenvolvimento profissional. Há também as seções: ComunidadeGV, Ensaio, Letras e Números, Blog e Agenda. A ComunidadeGV é dedicada aos alunos e professores, Ensaio trata de textos opinativos e críticos, Letras e Números destaca atualidades culturais, Blog aborda as discussões do site e Agenda os eventos relevantes para o leitor.
Para mais informações sobre a "GV-executivo" acesse o site: www.rae.com.br/executivo.



EBAPE tem projeto aprovado pela FAPERJ

O projeto "Benchmarking de inovações em gestão pública: análise das experiências nacionais e internacionais" coordenado pela professora Alketa Peci, da EBAPE foi aprovado para financiamento no Edital de Pesquisa Prioridade Rio - Apoio ao Estudo de Temas Prioritários para o Governo do Estado da FAPERJ. Participam do projeto os professores Filipe Sobral, Joaquim Rubens Fontes Filho e Humberto Martins, além dos alunos do mestrado acadêmico Carolina Siqueira, Daniela de Melo Faria, Juliana Marques e Marlos Correia de Lima.



Professor da EBAPE faz parte da Coordenação Acadêmica do EGOV 2008

O Professor Luiz Antonio Joia, da EBAPE, foi convidado a fazer parte do Program Comittee do Congresso Internacional de Governo Eletrônico - EGOV 08, a se realizar em Turim, Itália, de 1 a 5 de setembro de 2008.
Maiores informações sobre o congresso em www.uni-koblenz.de/FB4/Institutes/IWVI/AGVInf/Conferences/EGOV08.



Experiências da UNIFACS na área de extensão serão apresentadas durante Seminário em Lyon, na França
A UNIFACS vai participar do Seminário Lyon /Salvador sobre Extensão Universitária, que será realizado no próximo dia 22 de janeiro, em Lyon, na França. O evento – que é promovido anualmente, em Lyon ou Salvador, é resultado de um quadro de cooperação estabelecido entre a Université Lumière Lyon 2 e a Universidade Federal da Bahia (UFBA). Durante o encontro, a professora doutora Débora Nunes - que coordenada a Extensão Comunitária da UNIFACS e atualmente realiza um pós-doutorado na Université Lumière Lyon 2 - irá apresentar aos franceses iniciativas desenvolvidas pela Universidade Salvador, como o Programa Interno de Consumo Consciente (PICC) e o Escritório Público de Apoio ao Desenvolvimento Local (EPADE). O objetivo do Seminário – que irá contar ainda com a presença do pró-Reitor de Extensão da Ufba, professor doutor.Ordep Serra  - é  debater experiências extensionistas baianas  como inspiração para um modelo francês que está em desenvolvimento.

Intercâmbio Brasil- Alemanha
Estão abertas as inscrições para bolsas CAPES/CNPq/DAAD para doutorado na Alemanha. As inscrições podem ser feitas até o dia 29 de fevereiro de 2008.
As bolsas são destinadas a candidatos que possuam mestrado em curso recomendado pela CAPES e que possuam rendimento acima da média. Para o processo de seleção, os candidatos devem apresentar um plano de trabalho específico para o período da estadia, além de apresentar confirmação de orientação científica na instituição de destino. É necessário, ainda, possuir noções básicas da língua alemã. Para candidatos das áreas de Ciências Humanas e Ciências Sociais é preciso ter fluência no idioma. Para maiores informações e links para o edital e contatos, vejam o endereço:
http://rio.daad.de/shared/doutorado.htm
Estamos à disposição para fornecer orientações sobre as universidades de Baden-Württemberg, assim como acompanhá-los na busca por orientadores no estado.
Gostaríamos também de informar que o Brasilien-Zentrum possui um programa de bolsas em cooperação com a FAPERGS. Para maiores informações sobre intercâmbio acadêmico entre os estados do Rio Grande do Sul e de Baden-Würrtemberg e uma lista das instituições de ensino do lado alemão, vejam a nossa página na internet: www.uni-tuebingen.de/brasilien-zentrum/Info_Brasil/info_brasil.html


Inscrições para cursos de mestrado na FEI
O Centro Universitário da FEI agrega as antigas marcas históricas de ensino superior de São Paulo: Faculdade de Engenharia Industrial, Escola Superior de Administração de Negócios e a Faculdade de Informática. Com campi em São Bernardo e São Paulo, o Centro Universitário da FEI oferece os cursos de graduação em Administração, Ciência da Computação e Engenharia nas áreas Civil, Elétrica com ênfase em Eletrônica, Computadores e Telecomunicações, Mecânica, Mecânica com ênfase em Automobilística, Materiais, Química, Produção e Têxtil, além de cursos de especialização, aperfeiçoamento e extensão, ministrados pelo Iecat (Instituto de Especialização em Ciências Administrativas e Tecnológicas). Além destes cursos, a FEI oferece pós-graduação stricto sensu (mestrado) em Administração, Engenharia Elétrica e Engenharia Mecânica. Há também o IPEI (Instituto de Pesquisas e Estudos Industriais), responsável pela interação da FEI com o setor produtivo. A FEI é filiada à ABRUC (Associação Brasileira das Universidades Comunitárias).
Engenheiros, administradores, tecnólogos e profissionais em geral podem optar pelas áreas de Administração, Engenharia Elétrica e Engenharia Mecânica. Interessados podem assistir a palestras gratuitas sobre os cursos no final de janeiro.
As inscrições para os cursos de mestrado vão até o dia 08 de fevereiro de 2008.
Mais informações sobre os cursos de Mestrado podem ser obtidas no campus SBC (11-4353.2910), campus Liberdade (11- 3207.6800) e no site da FEI www.fei.edu.br/mestrado.


Seleção de Prof. Doutor na USP
A Universidade de São Paulo e o curso de graduação em Gestão de Políticas Públicas abrem concurso para Professor Doutor na área de Administração Pública em Regime de Dedicação Integral à Docência e à Pesquisa (RDIDP), referência MS-3, no Curso de Gestão de Políticas Públicas, na área Políticas Públicas e Gestão das Organizações Públicas.
Inscrições abertas até o dia 15 de fevereiro.
Mais informações: www.uspleste.usp.br/rh-info.php?pagina=politicas-publicas


Universidade Federal de Sergipe abre Concurso
A Gerência de Recursos Humanos da Universidade Federal de Sergipe comunica que estarão abertas, pelo período de 30(trinta) dias corridos contados a partir de 09 de janeiro de 2008, exceto os dias 04, 05 e 06 de fevereiro de 2008, as inscrições para Concursos Públicos de Provas e Títulos, visando o provimento vagas na carreira do Magistério Superior, para o Campus de São Cristóvão/SE e Campus Prof. Alberto Carvalho (Itabaiana).
Os pedidos de inscrições serão recebidos, no horário de 08 às 12 e das 15 às 17 horas, na DIRESP/DDRH/GRH, Prédio da Reitoria, na Cidade Universitária Prof. José Aloísio de Campos, mediante requerimento ao Gerente de Recursos Humanos, e os documentos exigidos. Informações através do Telefone: (79) 2105-6442/6518.
Outras informações: www.ufs.br/arquivos/1.1998965428E+13.pdf


USP Leste Contrata Professores
A USP leste está contratando dois professores temporários para o curso de sistemas de informação, na área de Economia e Administração.
O edital tem disciplinas e pontos nas duas áreas, economia e administração, sendo nesta última com foco em governo eletrônico e gestão de TI.
Mais informações em www.uspleste.usp.br/download/concurso/04_08-Site-Abertura.pdf


Educação a distância no IPG
O IPG - Instituto de Pós-Graduação com sede própria e atuação na cidade de Uberlândia há mais de 08 anos (com cursos presenciais e de nivel Lato Sensu) agora também é pólo UNIP - Universidade Paulista para cursos de EAD  - Educação à Distância.
A UNIP - Universidade Paulista pioneira no uso de computadores e satélite na educação criou e oferece o sistemas SEPI - Sistema de Ensino Presencial Interativo e SEI - Sistema de Ensino Interativo que são:
1) SEPI - Sistema de Ensino Presencial Inetrativo: Neste sistema, o aluno comparece à unidade pólo 01 vez por semana (cada curso tem aula em um dia especifico), assiste aula no horario de 19:15h as 22:30h além de comparecer para provas 01 vez a cada dois meses;
2) SEI - Sistema de Ensino Interativo: Neste sistema o aluno tem acesso às aulas pela internet, comparece à unidade pólo para realização de provas 01 vez a cada dois meses.
A UNIP, assim como o IPG são instituições credenciadas e reconhecidas pelo MEC para oferta de cursos de Graduação e Pós-Graduação respectivamente.Os cursos contam com  corpo docente altamente qualificado (Mestres e Doutores), garantindo assim um ensino completo e de alto nível, além de uma excelente estrutura física.
São vários os cursos oferecidos para modalidade à distância, tanto para graduação quanto para a pós-graduação.
Mais informações: www.ipg.edu.br


Inscrições para Doutorado em Administração e Turismo da UNIVALI
As inscrições para o processo seletivo do Curso de Doutorado em Administração e Turismo da UNIVALI estão abertas no período de 11 de fevereiro a 13 de junho de 2008. Acessando o site www.univali.br/pdat é possível obter o edital do processo seletivo e várias informações sobre o curso. Quaisquer dúvidas as secretarias estão disponíveis para esclarecimentos através dos telefones 48-3279-9552 ou 9580 e 47-3261-1315 ou 1211, e e-mails pma.big@univali.br">pma.big@univali.br e posturismo.bc@univali.br">posturismo.bc@univali.br.

Diretor e Professor da FUCAPE no FARS
O Diretor da FUCAPE, Prof. Alexsandro Broedel e o Prof. Fernando Galdi participaram do FARS 2008 no Arizona agora em janeiro.

Reconhecimento de Curso da FUCAPE com nota máxima
O curso de Contador Global da FUCAPE Busineess School foi reconhecido pelo MEC com nota 5. A FUCAPE é a primeira escola de negócios do Brasil a implementar o currículo com base nas diretrizes da ONU.

BBR ? Brazilian Business Review
A BBR – Brazilian Business Review, revista editada pela FUCAPE Business School foi classificada como Nacional A pelo Qualis. Outra notícia boa para a revista foi a descoberta de que cerca de 60% dos seus leitores vêm de outros países, sinalização da ótima qualidade das pesquisas publicadas.

Enade nota 5 para a FUCAPE
Os alunos da Administração da FUCAPE Business School só têm a comemorar, tiraram nota máxima no Enade. Os alunos de Contador Global também, que fizeram apenas a prova para entrantes, e o resultado foi nota máxima, alcançando inclusive um dos melhores rendimentos do país.

Participação de professores da FUCAPE no evento da SBE
A FUCAPE aportou com a maior delegação do Brasil para participar do encontro da ANPEC e SBE. Esta delegação foi especialmente importante, pois contava com professores da Economia e Contabilidade, demonstrando a integração que a faculdade desenvolve em todos os âmbitos da pesquisa acadêmica na área de negócios.


Por uma Análise Crítica das Organizações

Não restam dúvidas de que a violência é um dos principais temas do mundo contemporâneo. No Brasil, 55 mil pessoas foram assassinadas em 2005, ou seja, mais de 150 brasileiros por dia. A violência urbana é debatida a exaustão no mundo todo. Porém, existem dados tão assustadores quanto esses que não despertam tanta atenção. No mesmo ano de 2005, o Brasil registrou ao redor de 500 mil acidentes de trabalho. No total, 2.708 trabalhadores perderam suas vidas enquanto trabalhavam. No estado de São Paulo, ocorre uma morte a cada hora e meia como conseqüência desse tipo de acidente. No mundo, são cerca de 2,2 milhões de trabalhadores mortos anualmente em decorrência de fatores relacionados às suas ocupações nas organizações. Em 1984, a liberação acidental de cerca de 40 toneladas de um gás químico altamente tóxico da fábrica da Union Carbide – uma das maiores empresas químicas norte-americanas, localizada na cidade de Bophal, Índia – matou mais de 15 mil pessoas, praticamente cinco vezes mais do que em 11 de setembro.
 Em busca da maximização dos resultados, algumas corporações praticam o impensável. A Nike é reconhecida internacionalmente por subcontratar fábricas onde trabalhadores são mantidos em condições degradantes. A Coca-Cola está sendo acusada de conivência com seus engarrafadores que se envolveram com paramilitares na Colômbia para intimidar e impedir a sindicalização de funcionários naquele país. Há, inclusive, denúncias de assassinato. A IBM forneceu tecnologia e suporte técnico (com o conhecimento da matriz) para facilitar a gestão eficiente dos campos de concentração nazistas. Por trás da vanguarda dos biocombustíveis brasileiros, há trabalhadores nas lavouras de cana-de-açúcar que exercem suas funções em condições deploráveis. Muitas das roupas vendidas em grandes lojas de departamento são produzidas por mão-de-obra semi-escrava. Um dos principais causadores da destruição da floresta amazônica são plantações de soja umbilicalmente ligadas a grandes grupos de negócios agrícolas como a Cargil. O racismo, a homofobia, as práticas de assédio moral e sexual, a intensificação do trabalho, somente para citar alguns elementos, são parte da vida cotidiana de muitos dos que vivem nas organizações. Ou seja, o mundo da gestão não é tão virtuoso quanto os livros de administração e muitas pesquisas e pesquisadores da área tendem a assumir.
Muitos perguntam se as escolas de administração estão relacionadas com os aspectos nocivos das empresas. Outros dizem que estudar e focar problemas sociais, as conseqüências (anti-) éticas e (a) morais muitas vezes inerentes às organizações, não é papel do nosso campo. Porém, pensar dessa forma é não somente seguir uma visão restrita do que é trabalho acadêmico, como também aceitar tais absurdos como naturais. É achar que a produção e divulgação do conhecimento é não-problemática e, acima de tudo, não se relaciona com as mazelas geradas pelo mundo organizacional. É esquecer-se de que muitos daqueles que decidem optar por mão-de-obra semi-escrava na sua cadeia produtiva ou colaborar com regimes autoritários em nome dos negócios foram formados pelas escolas de administração em algum momento de suas vidas. Embora alguns afirmem que a nossa academia não influencia a prática das organizações, é inegável que estamos ativamente auxiliando (ou ao menos inspirando) diretamente a prática cotidiana das empresas. Isso se levarmos em conta que existem milhares de escolas de gestão em nosso país, centenas de milhares de professores que estão diuturnamente ensinando o que é uma empresa e suas diferentes funções, técnicas para maximar resultados, noções de como gerir pessoas, etc., sem falar nos acadêmicos envolvidos em treinamento executivo e consultoria. Se a função do nosso campo de conhecimento é entender esse fenômeno complexo e multifacetado chamado organizações e administração, não é possível descartar de antemão a análise dos problemas gerados pelas empresas na nossa sociedade. Não estudar esse tipo de fenômeno e, pior do que isso, ser contrário a essa forma de investigação é limitar o escopo da área e não deixar que os alunos das escolas de gestão tenham uma visão alternativa da tradicional. Essa prática, possivelmente, pode, então, ser conivente com as práticas nefastas presentes em muitas das empresas. O mundo das organizações, do qual todos nós fazemos parte, transforma-nos cotidianamente e, muitas vezes, não de uma forma positiva. Entender esses problemas, abordar tais complexidades, debater a sua constituição é o primeiro passo para tentar transformar a realidade que nos cerca em algo mais aceitável.
É nesse sentido que uma análise crítica das organizações e da administração deve ser defendida como necessária para compreender faces normalmente negligenciadas do objeto que pesquisamos. Porém, não há certeza ou consenso a respeito do que seria uma análise crítica organizacional nem uma única forma ou tradição epistemológica mais adequada para se fazer a crítica da gestão. Qualquer afirmação nesse sentido corre o risco de simplificar um campo multifacetado.
Existem, todavia, algumas pistas que, se tomadas em conjunto, podem nos sugerir o que significa analisar organizações por meio de uma lente crítica. O termo crítico, aqui, é parcialmente empregado no sentido dos trabalhos desenvolvidos por pensadores tão diversos quanto Karl Marx, Hebert Marcuse, Michel Foucault, Jaques Derrida, Donna Harraway, Gilles Deluze, Edward Said, Enrique Dussel, Milton Santos e Paulo Freire (somente para citar alguns poucos e lembrando que qualquer lista como esta gerará polêmicas). Uma das características que distinguem esse tipo de abordagem de pesquisa é considerar que realidade não é destino e que as coisas podem (e devem) ser diferentes do que elas são para que sejam mais justas. É não aceitar que as maneiras naturalizadas de exercício do poder, que a hierarquia, a exclusão e as formas de abusos presentes nas organizações são naturais e devem ser encaradas como dados da realidade. Significa tentar compreender as condições que sustentam formas de opressão e dominação, bem como as lógicas, as estratégias e os mecanismos que garantem a preservação das formas de gerir e organizar que estão relacionadas a desigualdades e assimetrias, e que estão longe de ser dados da natureza. É procurar entender como centros e periferias, dominantes e dominados são produzidos por práticas materiais, sociais e psicológicas. Representa, geralmente, partir do pressuposto de que as características presentes na sociedade contemporânea – tais como o imperativo do lucro, o patriarcalismo, a desigualdade de raça, a irresponsabilidade ecológica e várias manifestações do etnocentrismo – podem transformar as organizações em instrumentos de dominação, exploração e destruição. Significa assumir que é necessário pensar outras possíveis formas de organizar que não gerem conseqüências tão problemáticas quanto as formas tradicionais. Para muitos, é não abandonar a idéia de utopia nem a necessidade de se pensar em formas de emancipação.
Isso não se traduz, porém, em assumir a análise crítica como a única e verdadeira forma de pesquisa. Pensar dessa forma seria contraditório com aquilo que se pretende mudar. É se firmar como tirano das próprias idéias e seguramente tornar-se refém da própria incoerência. Não é desprezar o trabalho dos colegas e achar que a leitura de alguns textos clássicos garante uma visão privilegiada a respeito da ‘verdadeira verdade’ ou que o rigor teórico-metodológico deva ser substituído por um discurso panfletário, fundamentado em bravatas auto-evidentes e que partem de perguntas auto-respondidas.
Há linhas de pensamento crítico do fenômeno organizacional que parecem dividir o mundo entre “mocinhos e bandidos”. Contrário a esse tipo de visão maniqueísta e simplória do que são organizações, existe cada vez mais uma preocupação entre os críticos em compreender as ambigüidades e as complexidades associadas aos diferentes exercícios e (ab) usos de poder que estão intrinsicamente relacionadas às diversas faces perversas das organizações. Afinal, não são poucos os que se arvoram como críticos, mas tomam Coca-Cola ou usam tênis Nike. O ponto aqui não é sugerir que as pessoas deixem de tomar certos refrigerantes para serem coerentes, mas sim que as contradições estão presentes por todos os lados. É fundamental reconhecer que vivemos em um constante estado de conflito e tensão entre as diversas pressões e forças que nos moldam e que fazem parte de nosso dia-a-dia. Nesse contexto, respostas claras e soluções fáceis são improvavelmente convincentes. Talvez um dos maiores desafios de ser crítico é não seguir o dogmatismo típico daqueles que se acham detentores da verdade única. A complexidade dos efeitos negativos das organizações não requer um “messianismo acadêmico”, mas sim a capacidade de “se pensar diferentemente do que se pensa”, a fim de procurar um melhor entendimento de fenômenos tão complexos como as ambigüidades presentes no nosso cotidiano.
A origem dos Estudos Organizacionais brasileiros está atrelada ao desenvolvimento de uma visão pluralmente crítica a respeito do fenômeno organizacional no qual se destacam os trabalhos dos professores Alberto Guerreiro Ramos, Maurício Tragtemberg, Ramon Garcia e Fernando Prestes Motta. Atualmente, há pesquisadores que seguem uma linha crítica nos principais programas de pós-graduação do país, principalmente na EBAPE, EAESP, UnicenP e nas universidades federais de Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Pernambuco e Bahia. Possivelmente, alguns dos maiores desafios da abordagem defendida em nosso país sejam vencer o preconceito de muitos de nossos colegas contra a perspectiva, desenvolver estudos que levem em consideração a importância do “local” como eixo de análise, criar reuniões científicas específicas para a área e, acima de tudo, reconhecer que, apesar das diferenças, os pesquisadores da área podem mais se trabalharem unidos.

Observação: os seguintes livros, recentemente lançados, são duas sugestões de leitura para os que queiram se aprofundar no assunto:
PAES DE PAULA, Ana Paula. Teoria Crítica nas Organizações. 1. Ed. São Paulo: Thomson Learning, 2007. 128 p.
FARIA, José Henrique de (Org.). Análise Crítica das Teorias e Práticas Organizacionais. 1. Ed. São Paulo: Atlas, 2007. v. 1. 341 p.




Brazilian Journal of Applied Economics

ECONOMIA APLICADA (Brazilian Journal of Applied Economics) é uma publicação do Depto. de Economia da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Foi originalmente lançada em 1997 pelo Departamento de Economia da FEA-USP e pela FIPE, com o objetivo de suprir uma lacuna existente no espaço editorial do País ao optar por uma linha editorial voltada exclusivamente para artigos científicos em economia aplicada. Atualmente, mantém o mesmo objetivo e tem por foco a publicação de trabalhos de análise econômica aplicada a problemas específicos, tanto de interesse do setor público como privado, e que contenham, particularmente, estudos quantitativos, cujos resultados possam aproximar a teoria da realidade. A interação entre trabalho empírico e teoria, análise e política econômica é, portanto, um importante diferencial da revista.
Info: www.usp.br/revecap



Catálogo EdUERJ 2007
Por intermédio do Catálogo EdUERJ 2007, você terá a oportunidade de viajar pelo mundo acadêmico norteado por dissertações e teses, textos sobre a nossa cidade, material de uso didático e ensaios transdisciplinares.
Todo esse material é consolidado por um trabalho criterioso que resulta em uma produção com densidade de conteúdo aliado ao esmero gráfico e que está disponibilizado em mais de 200 títulos para o seu deleite ou consulta.


Livro conta os 50 anos da Escola de Administração de Empresas de São Paulo

Em 1954 nascia a Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV-EAESP). Os 50 anos foram comemorados em 2004, mas a partir desta data, surgiu a idéia de se fazer um livro contando a trajetória da Escola. Sob a coordenação geral da professora Marina Heck, responsável pela Coordenadoria de Extensão Cultural e da área GV- Comunidade, o livro FGV-EAESP 50 anos foi sendo construído em períodos decorrentes das memórias e histórias relatados pelos professores fundadores, primeiros alunos, alunos que se tornaram professores, empresários, executivos que hoje ocupam altos cargos em empresas e primeiras mulheres que ocuparam cargos na instituição. Também foram ouvidos os presidentes do Diretório Acadêmico, diretores da Escola, presidentes do Conselho de Administração bolsistas, administradores públicos e políticos.
Com projeto gráfico e editorial da Via Impressa, as entrevistas, sua organização e texto foram feitos por Clarisa Junqueira Coimbra, que utilizou a oralidade para a compreensão de fatos e comportamentos que marcaram a criação e a formação da EAESP. Com 224 páginas e muitas fotos, a obra está divida em quatro períodos: O Pioneirismo – 1954/1964; De Parâmetro a Paradigma – 1965/1979; Tempos Heróicos – 1980/1992; e Novos Rumos – 1993/2004. Em cada um dos períodos há uma síntese histórica socioeconômica, política e cultural do Brasil, o que ajuda a entender em que medida o macro contexto influenciou as atividades da Escola e o quanto foi influenciado por ela. O livro tem ainda uma rica pesquisa iconográfica que caminha por diferentes épocas.
Fruto da necessidade iminente de uma solução para apoiar o salto da industrialização paulista, a EAESP surgiu com uma nova proposta de formação dos primeiros professores, além da introdução do inovador “método de caso”, o que fez dela um agente de mudanças no quadro da administração no país e, conseqüentemente, um agente multiplicador da nova visão. Com a implantação da Escola na capital paulista, a administração no país conheceu uma importante mudança, que norteou a profissionalização das atividades empresariais, validado pelo sucesso de seus alunos no mercado profissional.
Na introdução da publicação, o professor Antonio Angarita Silva, um dos fundadores da EAESP e hoje vice-diretor da Escola de Direito da Fundação Getulio Vargas (EDESP), relembra a atuação marcante do professor Gustavo de Sá e Silva, que em sua gestão como diretor fez com que o pensar e o fazer estivessem sintonizados com o que a Escola representava para o ensino universitário entre os anos 60 e 70, como oferta de nova formação profissional aos jovens; métodos de ensino inovadores; novas práticas nas relações docente / discente passando pela convivência e atuação política; liberdade acadêmica e de ensino; introdução da organização departamental; e democracia dos órgãos colegiados. Tudo isso, reafirmando o pioneirismo da Escola e a consolidação de um novo paradigma no ensino da administração.
A obra traz depoimentos de importantes nomes que fizeram a história da Instituição. No período “O Pioneirismo” (1954/1964), além do professor Antonio Angarita Silva, participaram Geraldo José Lins (falecido em junho de 2007), Roberto Herbster Gusmão, Wolfgang Schoeps, Polia Lerner Hamburger, Claude Machline, Abilio Diniz, Marcos Vinicius Fittipaldi, Eugênio Emílio Staub, Eduardo Matarazzo Suplicy. Na parte “De Parâmetro a Pardigma” (1965/1979), os entrevistados foram Gustavo de Sá e Silva, Kurt Ernest Weil, João Carlos Hopp, Luiz Carlos Bresser-Pereira, Carlos Osmar Bertero, Laércio Francisco Betiol, José Ermírio de Moraes Neto (citado Antonio Ermírio de Moraes), Fabio Barbosa e Álvaro da Silva. Já na fase “Tempos Heróicos” (1980/1992) foram ouvidos Fernando Gomez Carmona, Paulo Clarindo Goldschmidt, Carlos Ernesto Ferreira, José E. Midlin, Célia Maria Bucchianeri Francini Vasconcellos, Antonio Carlos Rea, Marcos Cintra Cavalcanti de Albuquerque e Flavio Augusto Huttner. Por último, no período “Novos Rumos” (1993/2004), os depoimentos foram de Michael Paul Zeitlin, Maria Lúcia Pádua Lima, Peter Sink, Zilla Patricia Bendit, Alain Florent Stemfer, Tadeu Massano, Francisco Sylvio de Oliveira Mazzucca; Camila de Assunção Appel, Fernando Meirelles e Carlos Ivan Simonsen Leal (atual presidente da Fundação Getulio Vargas).